Logotipo XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ATEROSCLEROSE

Secretaria Executiva

SD Eventos

(11) 3672-6979

Departamento de Aterosclerose

Alameda Santos, 705 – 11º andar, Cerqueira Cesar/SP
(11) 3411-5531

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Uso de Nanopartícula Lipídica como Veículo do Quimioterápico Docetaxel no Tratamento da Aterosclerose Induzida em Coelhos.

Maranhão R C, Meneghini, BC, Tavares, ER, Guido, MC, Marques, AF, Kalil-Filho, R
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

 

Introdução:  A aterosclerose é uma doença inflamatória crônica e proliferativa que tem início quando fatores de risco alteram o endotélio vascular. As partículas da nanoemulsão lipídica LDE concentram-se em sítios inflamatórios e de intensa proliferação celular, como acontece nas lesões ateroscleróticas. O docetaxel (DTX), um fármaco antiproliferativo usado na quimioterapia do câncer, não foi ainda explorado no tratamento da aterosclerose. O objetivo do estudo foi avaliar o tratamento com a associação LDE-DTX em coelhos com aterosclerose induzida por dieta rica em colesterol.

Métodos: Aterosclerose foi induzida com dieta rica em colesterol 1% em coelhos New Zealand brancos machos, por 8 semanas. Da 5ª à 8ª semana, os animais foram tratados com LDE-DTX na dose de 1mg/kg, uma vez por semana ou apenas com a LDE (Controle), ambos por via endovenosa. O consumo de ração e os perfis lipídico, hematológico e ponderal foram avaliados durante o protocolo nos tempos basal, 4 semanas e final. Após a eutanásia, análises morfológicas e Western blot da aorta dos animais foram realizados.

Resultados:  Não houve diferença no consumo de ração e no perfil ponderal entre os grupos. O colesterol total e HDL-c aumentaram de maneira semelhante em ambos os grupos. Houve diminuição no número de hemácias quando comparados os períodos inicial e final nos dois grupos. A área de lesão nas aortas dos coelhos tratados com LDE-DTX foi aproximadamente 80% menor que nos coelhos do grupo Controle. Houve menor expressão proteica dos fatores inflamatórios CD68, MCP-1, TNF-alfa, IL-1 beta e IL-6, dos fatores pró-apoptóticos caspases 3 e 9, e Bax, das enzimas antioxidantes superóxido dismutase-1 e catalase, e dos colágenos I e III no grupo tratado com LDE-DTX. Não houve toxicidade relacionada ao tratamento.

Conclusão: O tratamento com a associação LDE-DTX se mostrou eficaz, uma vez que os coelhos tratados apresentaram menor área de lesão aterosclerótica e menor inflamação nas aortas quando comparados ao grupo controle. Tendo em vista que não houve toxicidade observável do DTX associada à LDE, a nova preparação LDE-DTX tem grande potencial para a terapêutica das doenças cardiovasculares de natureza aterosclerótica.

 

 

 

XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ATEROSCLEROSE

18 e 19 de agosto de 2017

Realização

Departamento de Aterosclerose
SOLAT

Apoio

SBC

Secretaria Executiva

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web