Logotipo XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ATEROSCLEROSE

Secretaria Executiva

SD Eventos

(11) 3672-6979

Departamento de Aterosclerose

Alameda Santos, 705 – 11º andar, Cerqueira Cesar/SP
(11) 3411-5531

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Efeito do tratamento do metotrexato associado à nanopartícula de LDE no na miocardiopatia diabética em ratos Wistar com diabetes mellitus induzida por streptozotocina.

Maranhão R C, Marques AF, Guido MC, Tavares ER, Tavares de Melo MD, Salemi VM
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

 

Introdução: A miocardiopatia diabética é caracterizada pelo aumento da rigidez miocárdica, hipertrofia dos miócitos, aumento da fibrose miocárdica, morte celular, e disfunção diastólica. Previamente demonstramos que nanopartículas lipídicas (LDE), que se ligam aos receptores de lipoproteínas, aumentam a captação celular do MTX e o tratamento do MTX associado a LDE reduz a inflamação e proliferação da lesão aterosclerótica em coelhos. Assim, o objetivo foi investigar os efeitos da associação LDE-MTX na miocardiopatia diabética induzida por streptozotocina em ratos.

 

Métodos: Ratos machos Wistar foram submetidos a indução do diabetes mellitus (DM) por dose única de streptozotocina 50mg/Kg I.V., diluída em tampão citrato de sódio 1M. Após duas semanas verificamos a glicemia e animais com glicemia < 300 mg/dL foram excluídos. Ratos DM foram distribuídos em 3 grupos: DM-LDE, tratados apenas com LDE; DM-MTXc, tratados com a forma comercial do MTX; DM-LDEMTX, tratados com a associação LDE-MTX. A dose do MTX foi de 1 mg/kg, I.P., semanalmente. O grupo SHAM recebeu somente o veículo e foram tratados com solução salina semanalmente por 6 semanas. Seis semanas após a avaliação da glicose, foi realizado o ecodopplercardiograma. Os animais foram então sacrificados para análises morfológicas e expressão proteica por western blot.

 

Resultados: Comparado aos grupos DM-LDE e DM-MTXc, o tratamento com a LDE-MTX melhorou a glicemia e a secreção de insulina. LDE-MTX reduziu o processo inflamatório, a hipertrofia cardíaca e fibrose miocárdica do ventrículo esquerdo. O tratamento com LDE-MTX também diminuiu a expressão proteica de macrófagos (CD68), TNF-α, colágeno I e de fatores pró-apoptóticos, caspase 3 e BAX. Além disso, a expressão das enzimas antioxidantes, superóxido desmutase 1 e catalase foi maior quando comparado aos grupos DM-LDE e DM-MTXc. Os animais tratados com LDE-MTX não apresentaram toxicidade.

Conclusão: O tratamento com LDE-MTX melhorou a glicemia, a secreção de insulina, a hipertrofia cardíaca, a fibrose miocárdica e o processo inflamatório. Esses resultados foram obtidos sem toxicidade aparente, e devem ser considerados para futuros ensaios clínicos.

XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ATEROSCLEROSE

18 e 19 de agosto de 2017

Realização

Departamento de Aterosclerose
SOLAT

Apoio

SBC

Secretaria Executiva

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web